Cultura

Exposição comemora os 30 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná
11-11-2015 10:14

Fica aberta até o fim de novembro a exposição “30 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná”, que traz, em ordem cronológica, a criação da OSP, os maestros titulares e convidados, participações com o Balé Teatro Guaíra e com outros grupos, e as turnês feitas pelos músicos. A mostra está em cartaz no saguão de exposições do Centro Cultural Teatro Guaíra, ao lado da bilheteria principal, de segunda a sexta, das 13h às 17h. A visita pode ser acompanhada por um monitor.

Em 30 anos foram 1.200 apresentações em diversas cidades brasileiras, incluindo concerto junto às Cataratas do Iguaçu e com o tenor José Carreras. No acervo estão 1.170 obras catalogadas e executadas. A Orquestra Sinfônica do Paraná se apresentou junto com o Balé Teatro Guaíra nos espetáculos Petrushka e O Quebra-Nozes e nas óperas Carmen, Fausto, Tosca e La Bohème.

HISTÓRICO – Em 1983, após apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira, sob regência do maestro Isaac Karabitchevsky, no Guairão, o governador José Richa decidiu criar a Orquestra Sinfônica do Paraná. Esta ação passou a ser um dos principais planos de gestão do governo na área da cultura.

Dois anos depois, em 1985, foi feito um concurso nacional, com 60 vagas, para selecionar os músicos que iriam compor a orquestra.

Dos 210 inscritos, 160 fizeram os testes de audição, compostos de provas teóricas e prática, tanto para músicos como para maestros titular e assistente.

A comissão avaliadora era formada pelos maestros Alceu Bocchino, Claudio Santoro e Mário Tavares e pela musicista Eleni Bettes. Osvaldo Colarusso foi aprovado como regente auxiliar e foram selecionados 54 músicos. Dos 11 candidatos a maestro titular, nenhum conseguiu aprovação. Então, o maestro Bocchino assumiu o posto.

A estreia nacional da Orquestra Sinfônica do Paraná foi em 28 de maio de 1985, no auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão). Na primeira parte do programa, abertura da ópera Anacreon, de Luigi Cherubini, sendo a primeira audição no Paraná, com regência de Colarusso. Bocchino regeu neste primeiro concerto a Sinfonia nº 8 em Fá Maior Op. 92 e o Concerto nº 5 em Mib Op. 73 Imperador, ambas as peças de Beethoven.

Nestes 30 anos, a OSP teve como maestros titulares Alceu Bocchino e Osvaldo Colarusso (1985 a 1997), Roberto Duarte (1998 a 1999), Jamil Maluf (2000 a 2001), Alessandro Sangiorgi (2002 a 2010) e Osvaldo Ferreira (2011 a 2013).

A partir de 2014, a Orquestra Sinfônica do Paraná passa a ser regida por maestros convidados: Dante Anzolini, Victor Hugo Toro, Claudio Cruz, Marc Moncussi, Isaac Karabitchevsky, Silvio Viegas, Stefan Geiger, Ricardo Castro, Fabio Mechetti, Jamil Maluf, Guilherme Mannis, Marcos Arakaki, Wagnrt Polistchuk, Ricardo Bologna, Alpaslan Ertüngealp, Roberto Tibiriçá, Lavard Skou Larsen, Paulo Torres, Gustavo Petri, Nikolas Rauss, Maximino Zumalave e José Maria Florêncio, entre outros.

INCENTIVO – A violinista Eleni Bettes foi uma das responsáveis pela criação da orquestra. Na época, ela era coordenadora de Comunicação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura e, dois anos depois, fez o concurso para compor o quadro.

“Fizemos um trabalho de pesquisa para convencer o governador a criar a orquestra. Havia mobilização dos músicos e o apoio do secretário da Cultura, o que favorecia a criação da orquestra”, disse em depoimento. “Precisávamos de uma orquestra sinfônica do Estado que estivesse dentro do Teatro Guaíra, que é a casa da música, da cultura e das linguagens artísticas do Paraná”, afirmou Eleni.

De acordo com a musicista, a movimentação musical e cultural na Capital, com as oficinas de música e a orquestra da Universidade Federal do Paraná (UFPR), facilitaram a criação da orquestra. “A Escola de Música e Belas Artes do Paraná formava grandes profissionais que não tinham onde trabalhar. Com a OSP foi criado um mercado musical no Estado. Muitos músicos se estabeleceram em Curitiba e também houve crescimento na área de luteria, que é o conserto e a fabricação de instrumentos”.

Alguns imprevistos ocorreram antes da estreia. No dia do ensaio geral, um martelo caiu da parte de cima do palco e atingiu um dos tímpanos (instrumento de percussão). Para as obras executadas naquele concerto, seriam necessários cinco instrumentos. O empréstimo para substituir o instrumento danificado foi feito pelo maestro Gideon Martins, da orquestra da UFPR.

ÓPERAS E BALÉS – Além dos concertos, a orquestra participou de montagens do Balé Teatro Guaíra, como O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky; Petrushka e Sagração da Primavera, de Stravinsky; e de produções de óperas como Carmen, de Bizet; Fausto de Gonod; Aída, de Verdi; Tosca e La Bohème, de Puccini.

Junto às grandes peças da música clássica, a Orquestra Sinfônica do Paraná também se adaptou à música popular e diversificou as apresentações. Um dos momentos marcantes foi a gravação, em 2007, do DVD com a banda Blindagem, assim como os concertos para crianças e parcerias com grandes nomes da música popular brasileira.

Fonte: AEN
GUIASJP - Um serviço POW Internet
POW INTERNET
<

Nenhum item encontrado

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.