Empresa

Copel elege crescimento como meta e decide disputar leilões de novas usinas
29-05-2010 10:08

O objetivo estratégico da Copel de ampliar sua participação relativa no cenário energético nacional, notadamente nos segmentos de produção e de transmissão de energia elétrica, vai incluir uma postura mais ousada e arrojada da estatal nos próximos leilões de novas concessões a serem promovidos pela Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica.

Em reuniões mantidas esta semana com analistas de investimentos de São Paulo e Rio de Janeiro, o presidente da Companhia, Ronald Ravedutti, revelou que existe interesse em participar de novos empreendimentos “dentro ou fora do Paraná, desde que mostrem ser rentáveis”.

O presidente admitiu que a Copel estuda com carinho a possibilidade de disputar, sozinha ou em parcerias, a concessão de três novos aproveitamentos hidrelétricos que a Aneel pretende colocar em disputa ainda em 2010. São eles uma usina no rio Teles Pires, no Mato Grosso, com potência projetada de 1.820 MW (megawatts), um complexo de 5 usinas de médio porte no rio Parnaíba, na divisa de Piauí e Maranhão, com potência total de 560 MW e a Usina Garibaldi, no rio Canoas, em Santa Catarina, com 175 MW.

Para o leilão deste último empreendimento, a Copel já iniciou conversações com a estatal federal Eletrosul visando a composição de uma parceria. Em sociedade com ela, a Copel vem construindo a Usina Mauá, no rio Tibagi, entre os municípios de Telêmaco Borba e Ortigueira. Este empreendimento, orçado em pouco mais de R$ 1 bilhão, terá 361 megawatts de potência instalada e início de operação previsto para abril de 2011.

RECUPERAÇÃO - Ronald Ravedutti afirmou que “a principal meta da Copel, hoje, é expandir negócios e conquistar novos empreendimentos para consolidar sua condição de grande empresa de geração e transmissão de energia”. Ele destacou que a participação proporcional da empresa nesses dois segmentos foi reduzida nos últimos anos. “Não podemos permitir o declínio da nossa participação nesses mercados, que se dilui um pouco mais a cada nova obra executada sem a participação da Copel”.

Para materializar esse objetivo, Ravedutti defende que a Companhia seja mais ousada nas futuras disputas por novos empreendimentos, contudo sem deixar de lado a prudência. “Não será a qualquer custo que expandiremos nossos negócios”, observou o presidente. “Temos total ciência da responsabilidade com que devemos gerenciar os recursos disponíveis e não vamos embarcar em aventuras”. Segundo Ronald Ravedutti, qualquer novo passo a ser dado pela Copel será muito bem estudado.

Nessa estratégia de buscar ser mais ousada nos leilões, a Copel conta com dois trunfos importantes: disponibilidades de caixa superiores a R$ 1,6 bilhão e um baixíssimo endividamento, equivalente a menos de 20% do seu patrimônio líquido, condição que lhe confere uma enorme capacidade de alavancagem – ou seja, margem para captação de recursos no mercado por meio de financiamentos ou empréstimos. “A receita que estamos propondo é agir com vontade e coragem, mas também com responsabilidade e bom senso, na busca de novas oportunidades para investir”.

AEN

Conheça o Portal imobiliário de Telêmaco Borba, www.ImoveisTelemacoBorba.com.br , clicando aqui!
GUIASJP - Um serviço POW Internet
POW INTERNET
<

Nenhum item encontrado

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.