Maná da Segunda

Maná da Segunda -> Aplaudindo a Perícia e a Criatividade



Por Jim Mathis



Durante uma viagem a Suíça, Louise, minha mulher, e eu tomamos consciência pela primeira vez das diferenças como outras culturas encaram os artífices e a perícia profissional. Ficamos maravilhados com a qualidade de itens banais expostos à venda. Maçanetas e trincos para janelas, por exemplo, eram de qualidade muito superior à que estávamos acostumados a ver em nosso país. A cultura suíça, logo descobrimos, atribui grande valor a habilidade profissional.

Um dos desapontamentos que me causa a cultura que vivencio diariamente nos Estados Unidos é o pouco valor atribuído à arte manual. Em grande parte do país, os artífices são considerados “pitorescos” e relegados a trabalhos exibidos em feiras de artesanato e museus. Exceto pelas escolas médicas e institutos de música e belas artes, somente um punhado de escolas oferece estágios avançados em disciplinas que exigem o uso de mãos habilidosas.



O apóstolo Paulo escreveu ao seus seguidores: "Esforcem-se para ter uma vida tranqüila, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos" (I Tessalonicenses 4.11). Claro, esta admoestação foi escrita há vários séculos, mas realmente é uma pena que se perdeu a devida consideração pela perícia manual.



Atualmente o aprendizado em luteria (fabricação de instrumentos musicais de cordas), joalheria, entalhes em madeira, escultura e outras artes e ofícios são difíceis de se encontrar e raramente são considerados uma opção para os estudantes, exceto os mais dedicados.



O estudante que escolher carreira em que é exigido elevado grau de habilidade, geralmente é desencorajado e, ao invés disso, estimulado a se voltar em direção a atividades mais intelectuais. Em conseqüência, somente os que não são considerados aptos para uma faculdade é que são motivados a aprender um ofício que envolva o uso das mãos. Se você quer um emprego bem remunerado – é a informação dada a formandos – não perca tempo aprendendo arte manual.



Por isso, as profissões que exigem elevados níveis de perícia, treinamento e experiência, estão desaparecendo rapidamente. Somente um pequeníssimo número de pessoas hoje em dia tem habilidade para fazer violino, lapidar diamante ou restaurar quadros. Isso é ruim?



Já foi dito – e eu concordo – que nossa qualidade de vida é determinada pelas habilidades que possuímos. Como alguém já expressou, "o operário trabalha com as mãos; o artesão, com as mãos e a cabeça; o artista, com as mãos, a cabeça e o coração". Segundo essa definição, todos deveríamos nos esforçar para ser artistas.



Grande parte desse problema é econômico. Muitas vocações que demandam habilidades mais desenvolvidas oferecem baixa compensação em comparação ao tempo e esforço gastos no seu aprendizado. Operários da linha de montagem de uma indústria automotiva, por exemplo, ganham mais do que artífices que restauram carros antigos, embora o nível de habilidade exigido na linha de montagem seja muito menor. O operário da montadora pode receber treinamento suficiente em questão de horas, enquanto os conhecimentos e a perícia necessários para a restauração de um carro antigo levam anos para ser adquiridos. Olhando por outro ângulo, não é correto que quem prepara contratos ganhe mais do que quem escreve lindas canções?



Não há soluções fáceis. Afinal são atitudes e valores da sociedade. Valorizamos eficiência e produtividade, mais que criatividade e perícia. Não é de admirar, portanto, que soframos as conseqüências, como queda na qualidade dos produtos que compramos, na música que ouvimos e na arte que está ao nosso redor. Poucos hoje sabem como consertar o som de um carro. A maioria sabe substitui-lo por um novo.



Deus, o Criador, dá grande valor à criatividade. Se Ele nos dá o desejo de criar coisas maravilhosas com as mãos, não importa que forma elas tomem, devemos nos esforçar para desenvolver a competência que nos permita fazê-las bem.



Próxima semana tem mais!


--------------------------------------------------------------------------------

Jim Mathis é Diretor Executivo da CBMC em Kansas City, Kansas e Kansas City, Missouri, U.S.A.. Ele e a esposa, Louise, anteriormente eram proprietários de uma loja de câmeras e processamento de fotos em Overland Park, Kansas. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.


MANÁ DA SEGUNDA® é uma edição semanal do CBMC INTERNATIONAL, uma organização de âmbito mundial, não-denominacional, fundada em 1930, com o propósito de compartilhar Jesus Cristo com a comunidade profissional e empresarial.

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA CBMC BRASIL , CP. 1515, Barueri, SP, 06493-970. E-mail: mana@cbmc.org.br -A

Veja mais Maná da Segunda

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.