Maná da Segunda

Maná da Segunda - Vencendo a Ira



Por Rick Boxx

Anos atrás, meu chefe na ocasião, escolheu-me para presidir uma força tarefa para tratar de um problema importante da nossa companhia. Para mim, aquilo representava uma mina terrestre política - uma situação clássica de quando não existe uma solução satisfatória. Meu chefe provavelmente esperava que eu o protegesse de possíveis estilhaços causados pela decisão da força tarefa, coisa que eu não fiz.

Por suas descobertas, a força tarefa chegou à conclusão de que a questão real estava na abordagem que meu chefe tinha adotado para lidar com o problema que estávamos pesquisando. Logo depois que meu relatório foi finalizado e apresentado, fui rebaixado de posto. Meu chefe, que sempre advogara em meu favor, tornou-se meu inimigo. 

Por mais de dois anos abriguei uma ira tóxica em relação a ele. Eu me sentia injustamente tratado e caluniado. Eu fora o bode expiatório de um problema que meu próprio chefe causara. Procurando dar o troco e de algum modo me vingar, toda vez que tinha a oportunidade, eu falava mal daquele homem para outras pessoas. 

Depois de carregar esse peso de ira e amargura, sem nenhuma esperança de que o executivo viesse a corrigir o erro que cometera para comigo, cheguei à chocante, embora libertadora conclusão: Minha ira estava me ferindo muito mais do que afetando a ele. Ainda que meus comentários negativos conseguissem diminuir meu chefe aos olhos dos outros, minha ira não era apaziguada. 

Foi então que passei a fazer algo que deveria ter feito muito antes: determinei-me a ler, meditar e aplicar o que a Bíblia ensina a respeito da ira, justificada ou não. Por exemplo, Efésios 4:26 ensina: “Quando vocês ficarem irados, não pequem. Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha, e não deem lugar ao diabo.” Pensando sobre sua exortação, me ocorreu que o sol se pusera sobre a minha ira literalmente centenas de vezes, e a supuração da amargura que eu sentia continuamente estava dando ao diabo ampla oportunidade de sabotar aquilo que Deus estava tentando fazer em mim e através de mim. 

Então, comecei a ponderar sobre Mateus 6:15, onde Jesus afirma:  “Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai Celestial não lhes perdoará as ofensas.”

Palavras duras de serem lidas. Enquanto eu apontava um dedo acusador para meu ex-chefe, parecia que os demais dedos da minha mão apontavam diretamente para mim. Ponderando sobre isso, o Senhor me convenceu de que já que eu não tinha perdoado meu ex-chefe, como poderia esperar que Deus perdoasse os meus muitos pecados? Tomei consciência de que além de perdoar meu ex-chefe – mesmo que ele nunca pedisse isso – eu também precisava pedir a Deus que perdoasse meus tantos pecados, inclusive meu espírito não perdoador. 

Para saber o que Deus queria que eu fizesse a seguir eu li Mateus 5:23-24, onde Jesus diz: “Portanto, se você estiver apresentando a sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta.”

Depois de mais de dois anos desde quando minha ira começou, finalmente iniciei o processo de reconciliação telefonando para o meu ex-chefe e pedindo seu perdão. Isso não consertou o que ele tinha feito, mas pelo menos eu estava livre da ira tóxica e seus efeitos devastadores. A ira é um câncer emocional cuja cura é o perdão.

Próxima semana tem mais!

Rick Boxx é presidente e fundador da "Integrity Resource Center", escritor internacionalmente reconhecido, conferencista, consultor empresarial, CPA, ex-executivo bancário e empresário. Adaptado, sob permissão, de "Momentos de Integridade com Rick Boxx", um comentário semanal acerca de integridade no mundo dos negócios, a partir da perspectiva cristã.  Tradução de Mércia Padovani. Revisão de Juan Nieto (jcnieto20@gmail.com).

Perguntas para Reflexão ou Discussão   

O que você pensa sobre a expressão “ira tóxica”? Você já experimentou isso? O que a causou e que impacto teve em você?
Essa ira pode ser justificada? Abrigar tal amargura em relação a outra pessoa pelo que ela fez pode ter algum valor positivo?  Por quê?
Que podemos fazer para pôr em prática a admoestação “Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha”? Você acha que isso é importante?
Por que deveríamos perdoar outros pelo mal que nos tenham feito, mesmo que eles não peçam nosso perdão? É realista agir assim? Quais as consequências de não perdoarmos as ofensas dos outros?Desejando considerar outras passagens da Bíblia relacionadas ao tema, sugerimos: Provérbios 12:16; 14:29; 15:18; 17:27; 18:19; 29:8,11; Efésios 4:31; Colossenses 3:8. 

MANÁ DA SEGUNDA® é uma reflexão semanal do CBMC - Conectando Business e Mercado a Cristo, organização mundial, sem fins lucrativos e vínculo religioso, fundada em 1930, com o propósito de compartilhar o Evangelho de Jesus Cristo com a comunidade profissional e empresarial. © 2017 - DIREITOS RESERVADOS PARA CBMC BRASIL

 

 


Veja mais Maná da Segunda

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.