Reflexão

A Fé Começa Em Casa – Aprendendo a Amar



Assim, Jacó trabalhou sete anos para poder ter Raquel. Mas, porque ele a amava, esses anos pareceram poucos dias. (Gênesis 29:20)

Esta palavra tão pequena – AMOR, leva-nos a tantas situações na vida e mostra-se por muitas facetas diferentes no nosso dia a dia. Usamos para as mais diversas situações, podendo até duas pessoas estarem falando e expressando amor, sendo que a interpretação e a expectativa podem ser totalmente diferentes e até desconhecidas pelo outro.

O processo de desenvolver nossos relacionamentos ou de restaurá-los, passa pela maneira como amamos. E isto num sentido mais amplo e completo exige que conheçamos as mais distintas faces do amor.

Em grego existem 5 palavras para o que se relaciona a amor, enquanto no português apenas uma, e quando a usamos pode significar muitas coisas. Vamos conhecer estas diferenças e passará a ficar mais claro o que acontece com cada um de nós quando dizemos – “eu te amo”.

EPHITUMIA – desejo forte, fixar-se em desejar sexualmente. Esta expressão envolve nossa sexualidade e na vida conjugal devem, marido e mulher, sentir e desenvolver um forte desejo físico entre si. Este amor é expresso através da intimidade física e resulta em prazer para ambos.

Precisamos conhecer a nossa sexualidade e a de nosso(a) parceiro(a), pois os mecanismos que despertam o interesse sexual é diferente para o homem e para a mulher. Nossa postura deve ser de demonstrarmos ao nosso cônjuge que o amamos despertando seu desejo por nós.

A sociedade moderna tem se fixado neste tipo de amor como sendo suficiente, esquecendo-se das demais necessidades humanas.

EROS – amor romântico, apaixonado. É o desejo ardente de empenhar-se na felicidade do ente amado. Nos impulsiona a não medir esforços para estarmos com o outro e expressar nossos sentimentos.

Este amor é muito visível nos casais de jovens namorados. Para exemplificar, certo dia quando namorava a Telma, estava um frio muito intenso em Curitiba, em torno de 5ºC, e eu só poderia ir à sua casa de moto. Pois bem, não deu outra, me enchi de blusas e fui. Cheguei gelado e nem fiz conta disto, só queria estar junto dela.

Muitos, depois que casam param de agir assim, pois tem a falsa impressão que é algo que não faz mais parte da vida, como algo que passou, teve fim, e perdem boas oportunidades com seu cônjuge. Para expressarmos este amor precisamos conhecer nossas necessidades e carências emocionais e afetivas.

STORGE – amor refúgio e segurança. Este amor satisfaz a necessidade que temos de participar de um círculo íntimo, onde as pessoas se interessam umas pelas outras e são leais entre si. É o que chamamos de sentimento de lar. É um local aonde podemos nos despir de nossas máscaras e sermos aceitos como somos.

Enquanto eros funciona como um combustível para alimentar nossas emoções, storge vem para edificar os alicerces do nosso relacionamento e nos dar estabilidade emocional, independente das circunstâncias.

Desenvolver este amor leva tempo, é lento, inicia com a fidelidade em aliança e nos leva a desfrutar de uma vida sadia.

É por isto que escutamos casais falando um ao outro:

— Eu te amo! Diz ela se referindo ao amor storge – segurança e refúgio ou phileo – amigo, companheiro.

— Eu também te amo meu bem! Diz ele se referindo ao amor ephitumia – desejo forte e ardente.

Quer dizer, ela pede atenção e segurança e ele está respondendo com sexo. Dai ela diz:

— Você só pensa nisso!

Ao final, ministra ao marido e desenvolvem a sexualidade, pois os bons amantes suprem primeiro as necessidades de segurança e amizade da sua esposa. Nestes momentos, os maridos devem suprir as necessidades amorosas de sua esposa para que, em seguida, possam também ser supridos das suas.

PHILEO – amor amigo, companheirismo. Todos possuem a necessidade de ter amigos, fazer coisas juntos, passar tempo junto e dividir sonhos, planos e pensamentos. É um amor com capacidade de guardar confidências, serem leais, cordiais e afetuosos.

O desenvolvimento deste amor gera cumplicidade de vida entre marido e mulher. Quando não desenvolvido, estes vão procurar outras formas de preencher este espaço, através de amigos, parentes ou filhos.

Precisamos desenvolver este amor com nosso cônjuge. Marido e mulher deveriam se considerar como o primeiro e maior amigo, com o qual possuem prazer em sonhar, planejar e executar coisas juntos.

AGAPE – amor sacrificial, incondicional. Este é um amor alimentado pela vontade e não pelas emoções. Sua poderosa natureza e fonte é o próprio Deus. Este é o fruto do Espírito em todo aquele que tem Jesus como Senhor e Salvador de sua vida, é um privilégio dos filhos de Deus.

Este amor se manifesta de forma incondicional, inesgotável, generosamente e sem medida. Este amor é aquele que consolida e harmoniza o perfeito ajuste entre todas as faces do Amor Integral.

Resumindo: Ephitumia desenvolve nossa sexualidade; Eros cria amantes; Storge nutre nosso lastro emocional; Phileo cria amigos e gera cúmplices e Agape é o presente de Deus aos seus filhos.

PARA EXERCITAR COM SEU CÔNJUGE

Como tenho demonstrado amor ao meu cônjuge?
Desenvolvemos todas as facetas do amor em nossa vida conjugal?

“Pai celestial, ensina-me a amar verdadeiramente e expressar meus sentimentos de maneira que meu cônjuge se sinta amado(a). Amém!”

Luis Antonio Luize

ICHTUS
Edificando o Povo de Deus pela Internet

 


Veja mais Reflexão

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.