Reflexão

Como Deus nos vê.



Quando Jesus ressuscitou, na madrugada do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, de quem havia expulsado sete demônios. Mc. 1.9

Constrange a maneira como os evangelistas identificam Maria Madalena. Ela recebe um codinome horrível: “de quem havia expulsado sete demônios”. Parece que este rótulo acompanhou-a todos os dias da sua vida. Com igual sorte, há um Simão sempre conhecido por leproso. Assim é a natureza humana. Gostamos de jogar estereótipos sobre as pessoas e mesmo que não as chamemos pelos apelidos, num inconsciente guardamos os pecados passados, os defeitos e as manchas que já fizeram. Nunca permitimos que o passado fosse apagado.

Jesus não olhava para Maria Madalena da mesma maneira. Ele agora a via como uma nova criação de Deus. Tanto que a elegeu como testemunha da ressurreição e com a portadora das boas novas aos Apóstolos. Ainda bem que Deus não se relaciona conosco com alcunhas pejorativas. Se assim fosse eu seria conhecido como Ricardo, o instável. Você talvez tivesse o apelido de José, o lascivo ou Murilo, o iracundo, quem sabe Fernanda a mentirosa.

O perdão de Deus é muito mais vasto do que podemos imaginar. Mesmo tendo um passado tenebroso e feio podemos ser apenas filhos amados e queridos de Deus. O passado não nos acusa e Deus não lança em rosto. Somos verdadeiramente livres em Deus para o futuro lindo.

Ricardo Gondim
(Extraído do livro: a presença imperceptível de Deus)
Por Samuel Scheffler



Veja mais Reflexão

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.