Reflexão

Novidade de Vida – Alegria



Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação. (Habacuque 3:17-18)

Eu nunca tinha pensado neste texto desta forma. Para mim sempre pareceu poético, distante, meio coisa de filme. Uma hipótese, uma condição sugestiva, uma estorinha.

A figueira representa a honra, a paz, a prosperidade. Quando a minha figueira secou e o sossego se dissipou, entendi.

As uvas representam o vinho, a celebração, a festividade, a alegria em si. Quando as minhas uvas acabaram e a festa cessou, eu entendi.

As olivas (azeitonas) representam o óleo, a unção, o ministério, o serviço no Reino, os dons. Quando as olivas acabaram, eu entendi. Glória a Deus que sobrou azeite estocado…

O alimento nos campos ou lavouras é fácil de compreender, embora, eu admito, nunca tenha passado fome, comi o último disso e daquilo várias vezes. Quando a minha despensa esvaziou de vez, eu entendi.

As ovelhas são símbolo de amigos, gente para cuidar, relacionamentos, sociedade, família. Quando me vi só, entendi.

Os bois ou bezerros representam a fartura, a carne abundante, a prosperidade, abundância, o churrasco, até mesmo o luxo. Quando os meus bois acabaram eu entendi.

Vivo dias de Habacuque, meu irmão. O que era fácil se tornou difícil, o abundante ficou escasso e o sossegado está tumultuado. Pouco ou nada resta no devido lugar para servir de referência ou ponto de apoio. Poucos dos “companheiros” suportaram a luta quando a coisa ficou feia. Só que nos meus dias de Habacuque, não tem “ainda que” pois é real.

Este ano tem sido curioso. O faturamento não caiu mas a inadimplência tem nos maltratado tanto que falta dinheiro quase o tempo todo e fica difícil conduzir as coisas. A saúde na família foi abalada em múltiplas frentes e quase não se dá conta de atender. O cansaço e o enfado são tão extremos que parece que noite alguma é longa o bastante para se recompor. Parece propaganda de filme de fim do mundo? Não, é um relato real.

MAS – nas madrugadas mal dormidas o Senhor nos visita. Nas contas bancárias minguadas a multiplicação acontece. Nas despensas fazendo eco o rendimento sobe. Na angústia o clamor é ouvido, o choro faz sentido e o incenso sobe como um foguete. Na agonia um ombro amigo aparece.

Permita a este quarentão um conselho, seja você meu querido mais moço ou mais experiente – aprenda a alegrar-se no Deus da sua Salvação enquanto se pode dizer “ainda que”. Eu o fiz, e agora o faço, por mais que tudo vá mal no conceito humano. Os dias escuros passarão, as dificuldades serão contornadas, o suprimento virá, a enfermidade será derrotada.

O que não vai mudar?

O que não pode mudar é meu coração agradecido ao Deus que me salvou quando eu merecia morrer. Deus não muda, eu não posso mudar. Se hoje perder tudo que “tenho” foi Ele que me deu, desfrutei mais do que merecia, sou grato. O conceito de alegria estava podre, o Senhor precisou repará-lo.

Deixo aqui meu recado para ser ouvido no céu, na terra e debaixo da Terra: louvado seja o Senhor, Deus Eterno, meu Salvador, cuja majestade é para sempre. Aleluia.

Isso meu querido, é novidade. Novidade de Vida…

Senhor, em meio a tudo que o Senhor nos escolheu para nos provar, me ajuda a encontrar palavras de júbilo pois a vitória é certa e há sim motivos de alegria. Grande é o Senhor, totalmente digno de ser louvado.

Mário Fernandez

Uma Parceria Diária com Deus
Edificando o Povo de Deus pela Internet


Veja mais Reflexão

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.