Reflexão

O Jovem / Adolescente e a Solidão - Parte 2



Pr. Jaime Kemp

CONSEQÜÊNCIAS
1. Físicas
Em seu livro, "Loneliness: the Fear of Love", Ira J. Tanner, registra vários efeitos físicos da solidão: "A solidão infecta todas as fibras do nosso ser, nossas esperanças, ambições, sonhos, vitalidade, desejos, tanto quanto nossos corpos. Nosso comer e dormir são afetados freqüentemente. Obesidade e ganância também podem ser sintomas. A miséria da solidão às vezes se manifesta com dores corporais. Não é incomum fraqueza nas pernas, proveniente do fardo pesado que o medo acarreta e que carregamos sobre os ombros. Ombros arcados, lábios caídos, andar vagaroso e arrastado, bem como silêncio e isolamento, são efeitos da doença da solidão."
2. Baixa-Estima
A baixa-estima tanto pode ser a causa como a conseqüência da solidão. Às vezes é muito difícil identificar quando é uma ou outra. Qualquer conselheiro necessita de uma boa dose de sabedoria e perspicácia nesse sentido.
O jovem solitário carrega consigo sentimentos de vazio, desesperança e desvalorização, que sempre são acompanhados da sensação de não ser amado. Ele encara sua dificuldade em fazer amizades como um fracasso pessoal. Não raro, a opção pelo isolamento culmina em autocomiseração e egocentrismo.
3. Dependência
O indivíduo tende a depender totalmente de outros. Ele se "agarra" a alguém dando a impressão que vai sugar todas as forças emocionais da pessoa. Pessoas dependentes, em geral, seguem um processo em seus relacionamentos. Primeiramente, descrêem de sua capacidade em cuidar de sua própria vida emocional.
Em segundo lugar, elas esperam que os outros supram suas necessidades. Quando percebem que suas expectativas não foram atingidas ou satisfeitas, surge a terceira atitude desse processo, pois tornam-se exigentes. O resultado não pode ser outro senão o afastamento deliberado daqueles que se sentem sufocados por elas.
Infelizmente, no final desse processo, a pessoa vê-se novamente, e ainda mais só.
4. Depressão
Outra conseqüência da solidão é a depressão. Em casos extremos, a depressão pode conduzir ao desespero e este, à tentativa de suicídio.
A tendência de um adolescente é permanecer trancado em si mesmo e não deixar transparecer, ou não expressar, seus sentimentos. Entretanto, é preciso considerar que muitas vezes ele simplesmente não sabe como fazê-lo, o que apenas contribui para acentuar seu sofrimento com a solidão.
Um jovem descreveu-me assim, o que carregava oculto em seu coração: "Sinto que estou num buraco escuro e profundo, sem esperanças."
5. Uso de Álcool e Drogas Aquele que carrega o fardo da solidão, geralmente quer libertar-se através da bebida ou de drogas. Para tal, ele procura "amigos" que já têm experiência. Tal procedimento não soluciona o problema, mas pode ser uma das características dos que se sentem sós.
6. Reflexos Espirituais
Quando a pessoa não tem comunhão com Deus a solidão é mais forte. A consciência, também, pode já estar cauterizada pelo pecado, e isso pode fazer com que essa pessoa sinta-se abandonada pelo Pai. Esse sentimento pode provocar amargura contra o Senhor como se Ele a tivesse esquecido. Acredito que, aquele sofre de solidão espiritual de forma crônica não é um cristão ou, se o for, não se apropriou e não compreende o poder da graça redentora de Deus.

SUGESTÕES
Os jovens são solitários não necessariamente porque se separam uns dos outros, mas porque estão alienados de si mesmos.
Pais e conselheiros devem ajudar os jovens e adolescentes a descobrirem-se. Mas como?
1. Sendo amigo
Para que isto aconteça, devem ter a habilidade de desenvolver entre ambos um relacionamento baseado em confiança. Pode-se fazer algumas perguntas: Você poderia descrever-me seus sentimentos e lutas?
Em que situações você se sente mais só?
De que formas você procura tratar a solidão?
Nesse momento, conforme as resposta que ouvir, poderá determinar o grau da solidão e se é temporária ou crônica.
2. Enquanto estiver escutando a pessoa, aproveite para afirmar, encorajar e elogiar o jovem. Os solitários têm necessidade de compreender que possuem pontos fortes, habilidades, talentos e dons, bem como algumas falhas.
3. O jovem precisa entender quais são as causas básicas que o levaram a ser tão só. Os sintomas são alarmes, precisamos ouvi-los. Entretanto é preciso detectar as causas, as raízes que provocaram o problema e tentar eliminá-las.

Seguem-se algumas perguntas que podem auxiliar nesse processo:
Sua solidão foi causada por alguma situação temporária?
Sua solidão foi causada por alguma mudança, seja geográfica, familiar ou pela perda de alguém muito querido?
Sua solidão advém de sentimentos, tais como: timidez natural, dificuldade em fazer amigos, inabilidade de relacionar-se ou algum tipo de abuso físico ou verbal?
4. Levar a pessoa a conhecer Jesus. Sempre afirmo: "Jesus quer ser seu melhor amigo e Ele nunca vai abandoná-lo."
Se o adolescente sofre de solidão, ele precisa saber que Cristo pode viver em seu coração através do Espírito Santo, que esse Cristo tem um Corpo - a Igreja, com a qual ele deve se envolver. Também precisa saber que tem à sua disposição os poderosos recursos da oração e da graça de Deus.
Devemos sempre orar com o solitário por sua batalha contra a solidão.
Acho essencial que se desenvolva algum tipo de plano de ação simples, que o adolescente possa seguir. Exemplos:
Desenvolver as disciplinas espirituais em sua vida: oração, leitura e estudo bíblico, confissão de pecados, amizades cristãs, etc.
Estudar sob o ângulo bíblico um tema pertinente às necessidades do jovem. Desafiar o garoto/garota a tomar decisões concretas: "Vou deixar de hibernar em meu quarto durante uma semana", etc.
Incentivá-lo (a) a sair com um amigo (a), ir ao shopping, cinema, algo assim Dar ênfase à importância de um retorno, de preferência mútuo, a respeito dos alvos estabelecidos. Se eles foram atingidos ou não.

PERSPECTIVA BÍBLICA
No alvorecer da história humana, quando Deus avaliou tudo que criara, Ele declarou em Gênesis 2.18: "Não é bom que o homem esteja só...". O Senhor sempre soube que o ser que criara seria como Ele, desejoso de relacionamentos, de companheirismo e comunhão. Um dos propósitos da criação do homem foi justamente esse: a comunhão com o Criador.
O pecado golpeia, abala e separa o relacionamento entre o Senhor e a pessoa, como fez com Adão e Eva. O maravilhoso e definitivo plano da redenção nada mais é do que Deus buscando resolver o impasse da separação entre Ele e sua criatura, exatamente a problemática da solidão que foi imposta ao homem por ele mesmo, como decorrência de seu próprio pecado.
Grandes homens de Deus experimentaram solidão, conforme nos é desvendado na Palavra: Jacó, Moisés, Jó, Davi, Neemias, Elias, Jeremias. São de Davi as seguintes palavras do Salmos 25.16: "Volta-te para mim e tem compaixão, porque eu estou sozinho e aflito." Eles correram para Deus, expuseram, verbalizaram seu problema e foram confortados, fortalecidos. Nele, encontramos suprimento, companhia e forças.
Há ocasiões em que precisamos ficar sozinhos, mas essa não deveria ser a condição permanente das pessoas. Sejam quais forem as causas e as conseqüências da solidão, mesmo que seja difícil ir até os outros e apesar das inevitáveis decepções, vale a pena ter amigos, a começar de Jesus.


Fonte:kadoshimensagensbiblicas.blogspot.com

Veja mais Reflexão

Um serviço: Logo POW Internet

"Graça seja convosco, e paz, da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1CO 1:3

O sangue de Jesus Cristo, filho do Deus vivo, te purifica de todos os pecados.