Saúde

Após uma semana, vacinação contra gripe atinge 1,8% do público-alvo
19-04-2021 20:31

Uma semana depois do início da campanha nacional de vacinação contra a gripe, foram aplicadas até agora 1,4 milhão de doses. Isso representa 1,8% do público-alvo definido, que abarca 79,7 milhões de pessoas. Dividida em três etapas, a campanha começou no dia 12 deste mês e vai até 9 de julho.



As informações são disponibilizadas em um painel próprio do Ministério da Saúde, que pode ser acessado por meio do site da pasta.



Até agora, a região que mais vacinou foi o Sudeste, com 607 mil doses aplicadas. Aparecem em seguida, as regiões Sul (383 mil), Nordeste (275,6 mil), Centro-Oeste (121,3 mil) e Norte (50 mil).



O ranking dos estados que mais aplicaram vacinas é liderado por São Paulo (364,2 mil), Minas Gerais (198,2 mil), Paraná (158,2 mil) e Rio Grande do Sul (144,9 mil).



Quando considerada a cobertura vacinal – que toma a vacinação pela população – os estados com os maiores índices são Paraná (3,5%), Santa Catarina (2,9%), Rio Grande do Sul (2,9%), Espírito Santo (2,8%) e Mato Grosso do Sul (2,6%).



Entre os grupos prioritários, as crianças receberam 981,9 mil doses, os trabalhadores da saúde, 259,8 mil, e as gestantes, 142,1 mil.



Grupos prioritários



Os grupos são organizados para vacinação em três etapas, e os dias de mobilização, chamados de dias D, definidos em cada município pela Secretaria de Saúde local.



Os grupos prioritários são:



- Crianças de 6 meses a menores de 6 anos;



- Gestantes;



- Puérperas;



- Povos indígenas;



- Trabalhadores de saúde;



- Pessoas com 60 anos ou mais;



- Professores;



- Portadores de doenças crônicas não transmissíveis;



- Pessoas com deficiência permanente;



- Forças de segurança, de salvamento e armadas;



- Caminhoneiros;



- Trabalhadores do transporte coletivo de passageiros;



- Funcionários trabalhando em prisões e unidades de internação;



- Adolescentes cumprindo medidas socioeducativas em unidades de internação;



- População privada de liberdade.



Covid-19



O Ministério da Saúde não recomenda que sejam aplicadas conjuntamente as vacinas contra a covid-19 e contra a influenza.



A pasta recomenda que as pessoas que estiverem nos grupos prioritários procurem se vacinar antes contra a covid-19. Segundo especialistas, é aconselhável uma diferença de pelo menos 14 dias entre uma vacina e outra.



 



Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil - Brasília

POW INTERNET
<

Nenhum item encontrado